ALEMANHA JÁ PAGA UM PREÇO CARO E CORRE RISCOS DE APAGÃO POR TER ABANDONADO A ENERGIA NUCLEAR

 

imagesA Alemanha já está pagando caro pela escolha de querer  abandonar a sua base de geração elétrica de origem nuclear.  A rede elétrica do país quase desabou em janeiro devido ao mau desempenho das turbinas eólicas e painéis solares.  Por causa do tempo nublado com pouco ou nenhum vento, o cenário foi para grandes apagões. As usinas de energia eólica e solar quase não foram utilizadas.  Um grande apagão quase ocorreu em 24 de janeiro e só foi evitado quando os fornecedores de energia acionaram a última usina de reserva.

Michael Vassiliadis, chefe do sindicato que representa as usinas IG Bergbauchemie Energie disse que  a rede de energia elétrica do país estava em um limite absoluto e poderia ter ficado completamente offline, provocando um apagão nacional, se apenas uma usina estivesse fora do sistema:

“As energias renováveis não puderam sequer oferecer cinco por cento da demanda total de energia. O carvão, gás e energia nuclear mantiveram o país quase em primeiro lugar em geração elétrica“, disse Vassiliadis.

A Alemanha foi forçada a religar as usinas de carvão para simplesmente manter as luzes acesas. Os planos de energia verde do país exigem o fechamento de 30 dessas usinas até 2019. As abordagens de energia verde não conseguiram atender às metas de energia declaradas pela Alemanha, mesmo depois de gastar mais de US$ 1,1 trilhão. O plano Energiewende do país para impulsionar a produção eólica e solar para combater o aquecimento global não reduziu significativamente as emissões de dióxido de carbono (CO2). Muito pelo contrário.  Como resultado da incerteza da energia verde, a Alemanha planeja cobrir uma quantidade total de energia eólica em 40 a 45 por cento da capacidade nacional, de acordo com um relatório publicado pelo jornal alemão Berliner Zeitung.

A política energética moderna e ineficaz do país já obrigou os pagamentos de compensações a parques eólicos não operativos no valor de US$ 548 milhões no ano passado, o que impediu danos adicionais à rede elétrica, de acordo com um levantamento de empresas de energia.   Devido ao desempenho não confiável da energia eólica e oposição política às usinas nucleares, a Alemanha foi forçada a retornar ao carvão para gerar eletricidade. O carvão agora fornece 44% da potência elétrica da Alemanha, e esta mudança fez com que as emissões de dióxido de carbono (CO2) da Alemanha aumentassem em 28 milhões de toneladas de CO2 reais a cada ano após a mudança de política. Todos os subsídios da Alemanha e o apoio à energia verde aumentaram acentuadamente os preços da energia, com o alemão médio pagando 39 centavos por quilowatt-hora para a eletricidade.

Deixe seu comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz